Pubicado em: qui, jan 24th, 2013

Zequinha fala um pouco sobre sua vida e a dança

DSC04211O professor de dança Zequinha visitou a redação do Jornal Líder do Vale, na quarta-feira, 23, e contou um pouco sobre a sua vida como professor de dança.

Ele da aula de dança há 46 anos, mas tem isso apenas como hobbie. Criou seus quatro filhos dentro do CTG. Uma de suas filhas, Carla Maria Pereira participava da Invernada e dava aula de Fandango.

Zequinha conta gostar de dança desde pequeno. Ia a festinhas de amigos e dançava com as meninas. Depois, iniciou no CTG. Ele diz também que adora dançar, mas que prefere dar aula, pois gosta de ensinar os outros. Embora Zequinha de aulas de todos os estilos, sempre gostou mais da Dança de Salão.

Muitas aulas são cortesias para idosos, para que eles saiam um pouco de casa. Ele também, promove festas em asilos. “É muito bom ver a felicidade deles”, disse.

Zequinha também deu uma aula sobre a história da dança. Disse que a Valsa, trazida pelos imigrantes alemães, foi a primeira dança. Ela é dançada e três estilos: valsa gaúcha, valsa sertaneja e a valsa clássica, que é mais flutuante. Depois veio a dança dos índios, que é dançada até hoje nas comunidades indígenas. Em seqüência, a dança dos africanos, que é uma dança imortal. Dela, veio o samba, o pagode, axé e o carnaval de rua. Com os imigrantes espanhóis, veio o mambo, rumba, passo doble, etc. Na década de 60 o rock ainda não era muito conhecido, mas com a chegada de Elvis, Beatles, Rolling Stones, foi quando o rock estourou. Danças gaúchas são poucas: bugio, vanera, xote e chamamé.

Perguntado sobre como vem todo seu conhecimento sobre a dança, conta que viajou muito para se aprimorar, mas diz que até hoje aprende coisas novas. “A dança é coisa que nunca se sabe tudo”, completou.

Para terminar ele disse: “A dança é uma arte, uma mágica, que faz bem para a nossa mente, para todo o nosso corpo, dançar é saúde e para aprender não tem idade”.